Confira 4 doenças transmitidas por animais domésticos

Nós amamos pets. Por isso, é inevitável que queiramos nossos amigos de quatro patas sempre bem perto — na hora de dormir, no colo para fazer carinho e até nas lambidas de amor que eles nos dão!

Mas, para aproveitar todo o carinho e companheirismo dos pets, é muito importante estar atento à saúde deles. Afinal, existem algumas doenças transmitidas por animais domésticos, as chamadas zoonoses.

A boa notícia é que é possível evitá-las — além de garantir o tratamento adequado ao bichinho, em caso de diagnóstico positivo. No artigo de hoje, vamos conhecer 5 dessas doenças, além de medidas preventivas e de tratamento. Vamos lá, pet lovers? Continue lendo!

Zoonoses: entenda o que são essas doenças

Geralmente, trata-se de doenças infecciosas, cuja transmissão acontece pelo contato com o pelo, saliva, fezes e/ou urina do animal contaminado, ou mesmo pela ingestão de alimentos e água contaminados.

Portanto, para garantir a saúde de todos os membros da família — humanos e bichos de estimação — é fundamental estar atento a alguns cuidados básicos, como:

  • a limpeza do ambiente e do pet em si (garantindo banhos regulares, tosas e aparas das unhas);
  • as consultas regulares ao veterinário;
  • a vermifugação e a carteira de vacinação pet sempre em dia.

Vejamos, a seguir, as 4 principais doenças transmitidas por animais domésticos:

1. Giardíase

Entre as principais verminoses transmitidas por animais domésticos está a giardíase, causada pelo protozoário Giardia spp.

Seu contágio acontece tanto do animal doméstico para o homem quanto vice-versa, e é desencadeado pela ingestão de alimentos ou água contaminada pelos cistos (também conhecidos como ovos) do protozoário. Esses cistos também podem ser encontrados na pelagem dos animais.

Tratamento

O tratamento é longo, pois em muito casos a medicação é incapaz de combater a doença na primeira tentativa. Além disso, o risco de recontaminação é grande. Por isso, é indispensável o diagnóstico preciso — feito a partir de exame de fezes — para que o tratamento seja iniciado o quanto antes.

Prevenção

As medidas de prevenção também são de suma importância para cuidar dos bichinhos. Entre elas, temos:

  • a higienização do ambiente em que o animal de estimação fica e se alimenta;
  • o cuidado no momento de retirar as fezes;
  • a vermifugação regular do pet;
  • a higienização das mãos sempre que interagir com seu amigo de quatro patas.

2. Toxoplasmose

Causada pelo protozoário Toxoplasma gondii, presente nas fezes de gatos contaminados, essa é uma doença infecciosa grave para as gestantes (causando danos irreversíveis ao feto, como microcefalia e alterações oculares) e pessoas com baixa imunidade (levando à morte).

Tratamento

Em pacientes com sistema imunológico competente, a doença regride naturalmente. Já para os imunodeprimidos, o tratamento medicamentoso é indicado, e para as gestantes é preciso um acompanhamento mais próximo durante o pré-natal, para evitar que a doença seja transmitida ao feto.

Prevenção

O principal cuidado para evitar que o animal contraia o protozoário é não permitir que eles tenham acesso à rua e garantir uma alimentação exclusivamente baseada em ração.

Para os humanos, o ideal é evitar o contato com as fezes dos gatos, ficando sempre atento à higienização após essa manipulação. A higiene deve ser observada, também, no preparo dos alimentos, e deve-se evitar sempre que possível o consumo de carne mal passada.

3. Leishmaniose

A leishmaniose é uma doença de caráter zoonótico que acomete o homem e diversas espécies de animais silvestres e domésticos. Causada por protozoários do gênero leishimania, a doença pode causar danos fatais aos seres humanos, como úlceras na pele e órgãos (nesse caso, é fatal em cerca de 90% dos casos).

Sua transmissão acontece quando o animal é infectado pelo protozoário a partir da picada do mosquito-palha contaminado. Quando o mesmo mosquito pica o homem, este também é infectado pela doença.

Prevenção

Evitar que o animal seja picado pelo mosquito ainda é o tratamento preventivo mais eficaz. Para tanto, usa-se coleiras repelentes, sem cheiro.

4. Raiva

A mais grave de todas as zoonoses listadas até aqui, a raiva é uma infecção viral que ataca o sistema nervoso e pode causar a inflamação do cérebro, levando o indivíduo à morte bem rapidamente. A doença é transmitida ao seres humanos por mordida, lambida ou ferida feita pelo bichinho contaminado.

Até 2016, a OMS considerava controlada a infecção de animais domésticos em várias partes do mundo. A partir dessa data, porém, alguns casos foram registrados no Brasil (mais precisamente na região norte), levantando novamente a bandeira em direção dessa patologia tão severa.

Tratamento

Com um nível de mortalidade próximo de 100%, o tratamento da raiva ainda não é comprovado. Alguns pacientes se curaram pela vacinação preventiva logo que foram expostos ao vírus, outros, por terem sido submetidos a um protocolo cujo objetivo é induzir o coma para tratar a doença, a fim de evitar o óbito.

Prevenção

Nesse caso, manter a carteira de vacinação sempre em dia e evitar que os seus pets tenham contato com animais de rua e silvestres é a melhor maneira de prevenir o contágio da raiva.

A importância da desparasitação

Para evitar as zoonoses, manter seus pets sempre desparasitados é a estratégia mais saudável. É importante que ela seja feita corretamente e que os medicamentos sejam desenvolvidos por empresas especializadas em pets. Assim, é garantido que seu amigo e toda a sua família estarão protegidos!

Ser um petlover é zelar pela saúde dos pets com muita atenção e cuidado. Por isso, não se descuide! Como vimos, doenças transmitidas por animais domésticos podem ser graves, causando danos irreversíveis a toda a família — nesse caso, a prevenção é sempre o melhor remédio.

Leia mais sobre esse assunto em http://www.biovet.com.br/imprensa/zoonoses-confira-5-doencas-transmitidas-por-animais-domesticos/20180809-153805-C011

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.